4 fatores biológicos da depressão: entenda mais sobre o assunto

Você já deve ter ouvido falar que a depressão é a doença do século ou que ela é a maior causa de afastamento de trabalho nos últimos anos. Estudos afirmam que essa realidade existe e bate na porta de milhares de indivíduos todos os dias. Dada a importância deste assunto entendo ser pertinente abordar os fatores biológicos da depressão como verá a seguir.

Mais de 300 milhões de pessoas sofrem com a depressão no mundo todo. Um relatório publicado pela OPAS – Organização Pan Americana de Saúde, confirma que os desafios relacionados a essa doença são evidentes.

Isso acontece pois a depressão é caracterizada por uma complexa interação entre aspectos sociais, psicológicos e biológicos, sendo esse último, objeto do nosso artigo.

Dito isto, no decorrer da leitura vamos entender um pouco mais sobre essa doença consternadora, conhecer 4 fatores biológicos da depressão e de que forma se pode identificar os sinais do seu surgimento.

Entendendo a depressão

Não seria razoável falar sobre depressão sem procurar entender um pouco da sua existência.

A depressão é um transtorno que afeta muitas pessoas, como já vimos anteriormente. Suas consequências vão desde episódios rotineiros de oscilações de humor até um estado de grande sofrimento e flagelo. 

Sendo assim, o surgimento da depressão perturba a vida do indivíduo em diversos aspectos importantes como a vida social, afetiva e profissional. A OMS – Organização Mundial de Saúde, estima que em 2020 a depressão será a maior causa de afastamento no trabalho, um dado inquietante e que não pode ser negligenciado de forma alguma.

Existe uma dificuldade eminente entre a comunidade médica, quando se fala no diagnóstico da depressão. É comum que essa conclusão chegue tardiamente, agravando ainda mais as condições patológicas do indivíduo.

Tal dificuldade está ligada com a origem da doença que pode ocorrer por diversos motivos, sendo os fatores biológicos parte fundamental desta investigação.

Portanto, fica mais evidente do que nunca que os indivíduos precisam [e devem] ser tratados de acordo com a sua estrutura complexa e sistemática ao invés da patologia apresentada isoladamente. Essa última tende a distorcer outras percepções, diminuindo as possibilidades de um diagnóstico mais assertivo.

4 fatores biológicos da depressão

O transtorno depressivo é resultado do quanto a sociedade em geral tem relegado os fatores biológicos que envolvem a eclosão da doença. 

Apesar de ser um assunto profundamente delicado, não posso me eximir, como profissional da saúde, de elencar os fatores biológicos que influenciam diretamente nos quadros depressivos que temos visto com maior frequência.

Dito isto, vamos aos 4 fatores biológicos da depressão que se enredam por trás da tristeza e da apatia:

1) ALTERAÇÕES no CICLO CIRCADIANO: a exposição a luzes artificiais à noite confunde o sistema endócrino, responsável pela liberação dos hormônios necessários para as atividades diárias. Como consequência disto tem-se mais cansaço, tristeza e indisposição.

2) ESTRESSE: o estímulo exacerbado à produção de cortisol e adrenalina em ambientes de trabalho estressantes também afeta a produção hormonal, podendo levar aos chamados casos de “Síndrome de Burnout”.

3) DEFICIÊNCIAS NUTRICIONAIS: apatia e tristeza são alguns dos sintomas comuns em casos de deficiência de minerais/nutrientes como zinco, vitamina D, vitamina C, selênio, magnésio, ferro e Ômega 3.

4) INATIVIDADE FÍSICA: o sedentarismo é uma das principais causas de sintomas depressivos na vida moderna. Mexer o corpo, portanto, é fundamental a título de PREVENÇÃO e TRATAMENTO da depressão.

Você também pode gostar de ler: Depressão: será que os antidepressivos curam essa doença?

Como identificar a depressão

Identificar um transtorno depressivo demanda investigação sobre o estilo de vida e histórico do indivíduo, mais ainda por se tratar de uma doença complexa e facilmente confundida com outras situações.

Contudo, embora a depressão apresente um caráter psicológico ela não deixa de ser uma patologia hormonal e fisiológica, como evidenciamos no tópico acima.

Por este motivo, o melhor caminho para diagnosticar um transtorno depressivo é a consulta com um médico especialista. Dito isto, é importante observar os gatilhos da doença para agir rapidamente, caso se expressam no dia a dia.

De forma abreviada o transtorno depressivo pode estar associado a:

  • Sensação de incapacidade para atender as demandas do trabalho;
  • Desânimo e desmotivação frequentes;
  • Falta de iniciativa;
  • Falta de energia;
  • Isolamento social;
  • Irritabilidade;
  • Apatia;
  • Sentimento de indiferença diante das pessoas e situações;
  • Falta de sentido a vida;
  • Desejo de tirar a própria vida (nos casos extremos).

Se beneficie dessas informações

Se você chegou até esse estágio da leitura pôde perceber que a depressão é uma doença extremamente séria e deve ser tratada como tal. 

Além disso, diversos são os fatores que levam a pessoa a apresentar os primeiros sinais de transtornos depressivos. Muitos deles podem ser confundidos com outras situações do cotidiano o que demora ainda mais a se chegar no diagnóstico.

Desta forma, procure se beneficiar das informações que você colheu até aqui. Converse abertamente com seu médico e procure cultivar um estilo de vida que lhe permita viver mais e melhor, longe da depressão e de outras doenças que lhe tolhem a euforia de viver.

Para conferir outros assuntos como esse, conheça meu Canal no Youtube. Aproveite e se inscreva para não perder os vídeos novos.

Próximo postRead more articles