Gravidez na menopausa: é possível?

Compartilhe

Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook

A menopausa é um evento que ocorre durante a vida de todas as mulheres e indica o fim do período reprodutivo devido à insuficiência ovariana permanente.

É um processo gradual que ocorre na faixa etária de 48 aos 52 anos e é definido como a cessação dos períodos menstruais por no mínimo 6 meses.

Muitas mulheres se questionam sobre a possibilidade de gravidez na menopausa, principalmente quando a manifestação ocorre de forma precoce.

Neste artigo, buscamos esclarecer as principais dúvidas sobre o tema.

Siga a leitura para saber mais.

Pode ocorrer gravidez na menopausa? Entenda

Uma matéria publicada em 2017 chamou a atenção dos internautas: Tess Morten, uma britânica de 47 anos surpreendeu os médicos ao engravidar naturalmente após entrar na menopausa.

Mãe de três filhos adotivos, a britânica já havia tentado inseminação artificial por três vezes antes da menopausa, em 2010, quando desistiu de ter filhos biológicos.

No final de 2015, ela iniciou a terapia de reposição hormonal, com a finalidade de garantir melhor qualidade de vida. De acordo com os especialistas que acompanharam o caso, é possível que a reposição hormonal tenha interferido no reinício do processo de ovulação, mesmo que as chances de gravidez natural após a menopausa sejam muito pequenas.

De fato, a possibilidade de engravidar naturalmente na pós-menopausa é remota. O acontecimento é raro e não pode ser adotado como uma resposta para o questionamento elencado no título.

Já no climatério as possibilidades de gravidez de forma natural são um pouco mais altas, ainda que, nessa fase, ocorra uma natural redução da capacidade fértil.

Gravidez na menopausa e gravidez no climatério: entenda as diferenças

Antes que a menopausa ocorra, surge o climatério, onde a produção de hormônios essenciais para a qualidade de vida da mulher começa a declinar, ocasionando sintomas diversos e uma série de flutuações no ciclo menstrual.

Durante o climatério, os ovários passam a produzir menos estradiol e progesterona. Os níveis de hormônio luteinizante e hormônio folículo estimulante estão começando a aumentar à medida que os ovários estão se tornando menos responsivos a eles.

O ciclo menstrual torna-se cada vez mais irregular em duração e frequência e, por isso, os ovários podem liberar um óvulo em períodos espaçados, o que dificulta a gravidez de forma natural.

Portanto, a palavra climatério deve ser utilizada para se referir a uma fase longa da vida da mulher, que se inicia por volta dos 35 anos e vai até os 65 anos, delimitando a passagem gradual da vida fértil para a vida pós reprodutiva, causada pela redução das funções ovarianas. Já o termo menopausa pode ser empregado para nomear o evento de cessação das menstruações, que irá acontecer como consequência do esgotamento ovariano.

Por mais que as chances de gravidez no climatério sejam bem menores, ainda é possível engravidar naturalmente na fase que antecede a menopausa.

Já na menopausa, como destacamos anteriormente, a possibilidade de gravidez natural é remota e praticamente não deve ser considerada.

Terapia de Reposição Hormonal e gravidez na menopausa precoce

Grande parte das mulheres acredita que, com a chegada da menopausa, sua qualidade de vida será prejudicada.

Diante de todo conhecimento científico que temos atualmente, tal fato é uma inverdade.

No cenário da sintomatologia desconfortável da menopausa, a terapia hormonal individualizada tem ação significativa e pode ter impacto significativo na qualidade de vida da mulher.

Além disso, a Terapia de Reposição Hormonal com hormônios homólogos humanos pode contribuir para elevar as chances de gravidez, em caso de menopausa muito precoce.

Como sempre ressaltamos, é necessário um olhar individualizado sobre cada paciente. Por mais que tenhamos casos que demonstrem a viabilidade de gravidez durante o período através do processo de Reposição Hormonal, determinados casos podem necessitar de uma abordagem terapêutica diferenciada.

Fertilização in vitro pode contribuir para a gravidez na menopausa e no climatério

A grande dificuldade de engravidar no climatério e na menopausa pode ser uma notícia bastante impactante para mulheres, principalmente aquelas que são acometidas pela manifestação precoce.

Por outro lado, temos observado nos últimos anos muitos casos de sucesso em processos de fertilização in vitro, o que pode elevar as chances de gravidez.

Embora durante a menopausa a mulher já não consiga produzir óvulos de forma natural, seu útero ainda pode ser viável para abrigar uma gestação. Para tanto, existem duas opções de tratamentos viáveis: utilizar óvulos próprios congelados antes da menopausa ou contar com óvulos doados.

Para isso, é importante que a mulher tenha acesso ao acompanhamento médico especializado, evitando riscos e garantindo bem-estar para si e também para o bebê que está por vir.

Além disso, destacamos a importância de buscar auxílio profissional na manifestação dos primeiros sintomas relacionados ao climatério ou menopausa. O acompanhamento periódico com um médico que possui conhecimento na área, possibilita a condução adequada e individualizada para cada tipo de situação.

Possui dúvidas sobre o tema? Deixe o seu comentário abaixo!

Deixe uma resposta