Vitamina D e doenças autoimunes: entenda a relação

Se você não conhece a relação entre vitamina D e doenças autoimunes, precisa ler este artigo até o final. Este é um problema que, infelizmente, é pouco difundido pelas mídias. Enquanto a importância do filtro solar ganhou até música, ao falar sobre vitamina D poucos conseguem elencar as suas funções no organismo.

O paralelo mais comum entre vitamina D e saúde diz respeito à formação dos ossos. No entanto, ela é responsável por controlar mais de 270 genes e está diretamente ligada à saúde do coração, à gravidez bem sucedida e ao aparecimento das doenças auto-imunes.

Vamos entender melhor o que tem a ver vitamina D e doenças autoimunes?

Leia também: Psicobióticos no tratamento da depressão: entenda como funciona

A verdade sobre a vitamina D

Quando essa estrutura de hormônio esteróide lipossolúvel essencial foi descoberta, foi chamada de vitamina D por ser a quarta descoberta similar às vitaminas A, B e C. No entanto, ao contrário das três primeiras, ela não é encontrada apenas na alimentação.

Em 1970, pesquisadores descobriram que ela pode ser sintetizada pelo organismo e, assim, ganhou status de hormônio, em vez de ser uma vitamina.

Embora peixes como o salmão e a tainha e também os ovos sejam fontes de vitamina D, o meio mais fácil de manter os bons níveis no organismo é pelo contato com o sol. Em meio a uma alta campanha de conscientização sobre os malefícios dos raios solares, a exposição das pessoas aos raios diminuiu muito.

É claro que as mudanças no estilo de vida contribuem bastante. Ficamos em ambientes fechados por mais tempo do que deveríamos, andamos mais de carro do que caminhando…

Nos poucos momentos em que andamos na rua, expostos aos raios utra-violeta necessários para a produção da Vitamina D, geralmente estamos com a pele coberta pelo protetor solar.

É importante a prevenção do câncer de pele, no entanto, as pessoas passaram a exagerar na proteção e estão deixando de tomar as quantidades de sol necessárias para manter os níveis da vitamina D estáveis.

Estou falando dos 15 minutos diários de sol enquanto a pessoa caminha para o almoço, ou mesmo caminha para o escritório ao deixar o carro no estacionamento. Não se trata de “torrar a pele”.

A cultura do pavor ao sol aumenta de forma paralela aos diagnósticos das doenças autoimunes. Lúpus, vitiligo, atrite, diabete, reumatoide, celíaca e muitas outras doenças autoimunes são cada vez mais comuns.

Vitamina D e doenças autoimunes

Já está comprovado clinicamente que os pacientes acometidos pelas doenças autoimunes, em sua maioria, apresentavam baixos níveis de vitamina D. A deficiência dessa vitamina faz que a pessoa, principalmente quando já existe uma tendência para a doença autoimune, fique mais vulnerável ao desenvolvimento deste quadro.

Por outro lado, a boa notícia é que a vitamina D pode ser administrada como um tratamento para as doenças autoimunes. Esta é uma novidade e, para alguns especialistas, é considerada um notável avanço da medicina.

A vitamina D em seus níveis normais auxilia o sistema imunológico a selecionar corretamente as células que precisam ser atacadas. Como uma doença autoimune é caracterizada pela defesa do organismo atacando as próprias células devido a uma confusão, este é um considerável avanço.

Infelizmente, por falta de informação, essas doenças nem sempre são tratadas com vitamina D por meio de suplementação ou recomendação de luz solar. Enquanto estivermos induzindo os pacientes a se tratarem com fármacos que muitas vezes, além de silenciarem os sintomas da falta da vitamina, agravam os problemas, não teremos um tratamento adequado para as doenças autoimunes.

Espero ter esclarecido sobre a relação entre vitamina D e doenças autoimunes.

Até a próxima!

Dr. Ítalo Rachid

Fechar Menu