Remodelação hormonal no controle e prevenção de doenças

É inaceitável que ao apresentar sinais e sintomatologias relacionadas com o avançar da idade, um indivíduo reconheça tal condição como “normal” e decorrente da sua situação no momento. À vista disso, desejo discorrer sobre a medicina preventiva e o papel da remodelação hormonal neste cenário.

Ao adotar uma postura passiva com relação a saúde, o indivíduo acaba gerando um custo estratosférico pertinente a planos de saúde, estrutura hospitalar e medicamentos, que por sua vez, poderiam ter sido evitados, em grande parte, desde a sua própria gestação.

Costumo dizer que por trás de toda essa conjuntura, existe uma doença que é a base para todas as outras. Essa doença se chama ignorância. Desta forma, a ignorância se trata com um medicamento chamado conhecimento, do qual você tem a oportunidade de se beneficiar a partir de agora.

Conhecimento de qualidade é aquele que nos permite tomar decisões inteligentes que nos levem em direção a longevidade e a qualidade vida.

Portanto, para reformar o seu olhar sobre a medicina preventiva e para entender como a remodelação hormonal pode influenciar positivamente no processo, siga com a leitura até o final.

Um renovado olhar sobre a prevenção

O modelo de medicina preventiva surgiu nos EUA por volta dos anos 90. Tal movimento levantou a bandeira de que é possível intervirmos de maneira proativa, assertiva e preventiva na vida dos indivíduos, traçando um perfil e uma trajetória de saúde completamente diferente.

Ou seja, a medicina preventiva quebra o paradigma de que as pessoas precisam se conformar que ao chegar em determinada fase da vida necessitam aprender a conviver com doenças inevitáveis, provenientes da velhice.

Essa ideia na verdade é um mito.

O que acontece é que as pessoas não procuram pelo médico quando estão assintomáticas. E quanto mais jovem é o indivíduo, menor é a chance de ele procurar um médico, justamente porque não sente nada. Ele se autointitula saudável.

Porém, quando se lança um olhar observador sobre o público mais jovem, percebe-se que nele se encontra a maior quantidade de pessoas que pode se beneficiar desse modelo de saúde alicerçado na prevenção, a exemplo da remodelação hormonal.

Se trabalharmos este aspecto sobre um casal que deseja ter filhos, preparando-os para uma gestação otimizando os seus processos metabólicos, detoxificando-os, avaliando e corrigindo a insuficiência hormonal, por meio da remodelação hormonal, reparando a disbiose intestinal, os processos de pró oxidação e energizando as mitocôndrias, têm-se filhos mais saudáveis, menos propensos a doenças e com uma extensão de qualidade de vida muito maior.

Isso porque a medicina preventiva refletirá nos desdobramentos genéticos que serão passados de pais para filho, dada a importância dessa relação.

Você também pode gostar de ler: Fisiologia Clínica e Hormonal

Remodelação hormonal e suas benfeitorias

É neste contexto que a remodelação hormonal entra em cena para mostrar a que veio. 

Contudo, deve-se levar em consideração que existe uma grande dificuldade em se detectar uma insuficiência hormonal por meio dos exames de laboratório.

Os hormônios circulam em concentrações muito pequenas na corrente sanguínea, sendo que esse não é o local de atuação deles, mas sim o “canal de distribuição” para toda a estrutura corporal.

Como médico é preciso levar em consideração que os hormônios atuam dentro das células, mais precisamente dentro do núcleo delas, onde comandam os processos de transdução fazendo com que essas células se comuniquem com precisão e agilidade.

Portanto, o número que o laboratório mostra no resultado do exame não pode ser assumido como a verdadeira concentração de determinado hormônio no organismo do indivíduo, pois o mesmo não expressa a concentração intracelular.

Sendo assim, é imperativo que ao assumir a insuficiência hormonal, o médico leve em consideração outros aspectos avaliados na clínica como as manifestações sintomáticas, queixas e sinais.

Usando todas essas informações e raciocinando sobre tais variáveis é possível decidir se o paciente irá, ou não, se beneficiar de um determinado tratamento de remodelação hormonal.

Tratamento ou prevenção

Embora não seja objetivo tratar alguém de doença alguma, através de reposição hormonal, é absolutamente inegável que a partir do momento em que as pessoas passam a ter hormônios circulantes em seus níveis estabelecidos adentrando as células, os mesmos começam a promover restauro, potencialização e otimização dos processos comunicativos.

Sob tal circunstância o indivíduo acaba melhorando suas condições primárias influenciando positivamente na resposta a doenças graves como hipertensão, depressão, hiperglicemia e diabetes.

Apesar de não ter como objetivo o tratamento de doenças, a modulação hormonal, acaba por corrigir deficiências que poderão melhorar a expectativa de vida perante outras doenças, permitindo que as pessoas reduzam custos com tratamentos e com o uso de remédios.

E assim poderemos promover uma perspectiva de resultados diferentes, a partir desse processo de reequilíbrio hormonal, ao invés de simplesmente tratar doenças.

No momento em que passamos a viver com níveis hormonais mais elevados, é inevitável que o metabolismo melhore, que o processo de detoxificação seja intensificado, que o corpo viva com mais energia, equilíbrio e homeostase.

E isso acaba, mais uma vez, promovendo maior qualidade de vida

Um seguro ponto de partida

Quase 30 anos após o surgimento do modelo de medicina saudável, nós desenvolvemos e coordenamos o segundo mais importante Centro de Ensino nesta área, do mundo. Ele fica aqui no Brasil e se chama Grupo Longevidade Saudável.

Nós temos, hoje, um conjunto de aproximadamente 8500 médicos, formados pelo Grupo Longevidade Saudável, pertencentes a 32 especialidades médicas distintas, o que só comprova a universalidade desse assunto.

Com esse posicionamento e pelo nono ano consecutivo, o Grupo Longevidade Saudável reúne os expoentes desse movimento em prol da saúde preventiva em um evento inigualável e riquíssimo

O 9º Congresso Internacional de Ciências da Longevidade Humana vai acontecer em outubro de 2020 e planeja abordar tais temas com louvor mais uma vez.

Eis um seguro ponto de partida para o conhecimento sobre a medicina da saúde.

Confira outros conteúdos em vídeo acessando meu Canal no Youtube: Dr. Ítalo Rachid.

Próximo postRead more articles