Mitos sobre cardiologia metabólica que todos devem conhecer

Compartilhe

Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
mitos sobre cardiologia metabólica

Quando pensamos em cardiologia metabólica e doenças cardiovasculares, tanto profissionais da saúde quanto pacientes, precisamos entender que o sistema cardíaco é o motor da vida.

De seu funcionamento adequado depende a saúde de todo o organismo. E, da mesma forma, tudo o que fazemos ao organismo impacta à saúde do coração.

Assim, todos os nossos hábitos influenciam diretamente. Tanto para a manutenção das saúde quanto para o surgimento das doenças.

Hoje, vamos tratar diretamente a saúde cardiovascular. Assunto urgente, em especial, quando lembramos que é a principal causa de mortes no Brasil e no mundo.

Meu objetivo com as próximas linhas é demonstrar como a maior parte dessas mortes poderia ser evitada com dois passos: o primeiro é a informação adequada, e o segundo, o uso dessa informação para viver uma vida mais saudável.

O mito do consumo de sal

Dados de 2018 do Ministério da Saúde mostraram que quase 25% da população brasileira está diagnosticada com hipertensão. Entre os idosos acima de 65 anos que vivem em capitais, esse número é ainda mais preocupante: mais de 60% contam com o diagnóstico.

Sabemos que esse número tende a ser muito maior, afinal, muitos brasileiros estão hipertensos mas não procuram o sistema de saúde e, assim, não são diagnosticados.

O fato é que, após descobrir a hipertensão, uma das primeiras recomendações é a diminuição do consumo de sal. E, assim, o paciente reduz esse ingrediente das suas refeições.

No entanto, esse é um grande mito relacionado às doenças cardiovasculares. Fruto de muita propaganda midiática dos anos 1980, o sal de cozinha está longe de ser um vilão da saúde quando consumido com equilíbrio.

O que prejudica o funcionamento cardiovascular, de fato, é o excesso de sódio. Esse, sim, está presente em muitos itens processados disponíveis nas prateleiras de supermercados.

Pela facilidade do consumo, a maioria dos brasileiros médios conta com altos níveis de sódio no seu dia a dia.

As influências do açúcar

Por outro lado, existe outro cristal branco que merece a redução, no entanto, é pouco relacionado às doenças cardiovasculares: o açúcar.

Seus efeitos em pacientes diagnosticados com hipertensão comprovaram que as artérias ficam tão sobrecarregadas com o consumo de açúcar quanto com o consumo de sal.

Conforme o estudo publicado no BMJ, uma pesquisa realizada com 120 pacientes cardiovasculares demonstraram que o acúmulo do ácido úrico ocasionado é suficiente para obstruir as artérias coronárias e reter o sódio no organismo.

Isso além da questão do desquilíbrio insulínico proporcionado pelo excesso do açúcar, levando ao desgaste das artérias.

O colesterol como vilão

Outro mito que dificulta a explicação sobre as doenças cardiovasculares é colocar o colesterol como o vilão da saúde.

Na realidade, hoje, temos estudos científicos demonstrando que o colesterol LDL (conhecido como “colesterol ruim”) não tem impactos diretos na saúde cardiovascular.

O colesterol é uma molécula vital para muitas funções vitais do corpo, assim como o consumo de gorduras de boa qualidade é também recomendado para a saúde do organismo.

Assim, sabemos que o consumo de gordura saturada não está relacionado ao aumento dos riscos de doenças cardiovasculares. Ao mesmo tempo , as gorduras insaturadas não diminuem esses riscos.

O que pode evitar as doenças cardiovasculares é, sim, reduzir o consumo de carboidratos refinados ricos em açúcares.

Espero que esses paradigmas arraigados nas crenças das pessoas se desfaçam conforme mais informação é levada a público.

Para saber mais, assista ao vídeo abaixo e aproveite para se inscrever em meu canal do YouTube.

Deixe uma resposta