Hormonologia para profissionais da saúde: por que é importante entender?

Compartilhe

Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
hormonologia

O entendimento de hormonologia para profissionais da saúde é essencial.

Hoje, diversos mitos rondam as questões relacionadas aos hormônios. Infelizmente, ainda é comum a desinformação sobre esse assunto vital.

Ouvimos falar dos “hormônios” como algo a ser visto de maneira prejudicial para o organismo, com o que devemos tomar cuidado e evitar.

Acredito que todas as pessoas devem ir além e compreender mais a fundo sobre hormonologia, porém, especialmente profissionais de saúde.

Saber pelo menos sobre o que é hormônio natural, hormônios bioidênticos e hormônios sintéticos.

Quais as funções dos hormônios no organismo?

Hormônios são substâncias produzidas naturalmente pelo corpo humano com funções essenciais à vida.

Entre as principais atividades hormonais, podemos listar:

  • Permeabilidade celular;
  • Síntese de proteínas;
  • Ativação enzimática;
  • Liberação hormonal;
  • Ativação de genes.

Qualquer que seja o aspecto da atuação de um hormônio, é essencial compreender o seu caminho. Nossas células contém receptores para esses hormônios.

E quando esse hormônio penetra na célula, atrelado ao receptor, esse hormônio é transposto para o núcleo celular.

Assim, ele vai induzir a transcrição do RNA mensageiro com o objetivo de dirigir a síntese de uma proteína no citoplasma dessas células.

Ao final dessa cadeia de eventos, os hormônios exercem controle sobre todo o sistema endócrino resultando em impactos:

  • No sono,
  • Bem-estar físico,
  • Resistência muscular;
  • Peso;
  • Massa muscular;
  • Massa óssea,
  • Metabolismo,
  • Imunidade,
  • Homeostase do meio interno;
  • Atividade sexual, 
  • Composição corporal;
  • Humor;
  • Disposição de gordura.

Existem muitos mitos envolvendo os hormônios: que faz falar grosso, causam câncer e podem ser perigosos.

No entanto, a única função é controlar a homeostase, controlando a produção de proteínas.

Hormônios são os regentes da orquestra da vida

O profissional de saúde que desconhece as funções hormonais, infelizmente, perde a oportunidade de estar plenamente capacitado a proporcionar o melhor tratamento ao seu paciente.

Primeiro, pelo motivo de que terá mais dificuldade em avaliar causas do problema. E, assim, deixa de tratar da forma mais abrangente, ou, de encaminhar a um profissional qualificado que possa dar esse tratamento.

Embora a prescrição de hormônios seja exclusiva a médicos, é fundamental que profissionais de todas as áreas compreendam as funções que exercem no organismo em prol de seus pacientes.

De igual importância é reconhecer as classes de hormônios: naturais, com ação símile e bioidênticos.

Hormônios naturais

São produzidos pelo organismo humano de forma natural. Sem dúvidas, é o mais perfeito que existe pois a fonte é a natureza, o sistema endócrino.

No entanto, entre os 25 e 30 anos, essa produção despenca.

Isso porque a natureza entende que as funções reprodutivas do ser humano já passaram. Assim, não há razões para continuar a produzir hormônios com a mesma quantidade e qualidade.

Hormônios bioidênticos

Quando a produção hormonal cai devido ao avanço da idade, é possível suplementar com hormônios bioidênticos. 

São hormônios exatamente com a mesma estrutura dos naturais, no entanto, devem ser prescritos com cuidado para promover o equilíbrio do organismo.

Hormônios sintéticos

Nem sempre os hormônios inseridos no organismo de fora para dentro contam com a estrutura idêntica ao hormônio natural.

Quando a estrutura é diferente, são os chamados hormônios sintéticos e precisam ser analisados com cuidado.

Seus efeitos não são os mesmos do hormônio natural nem do hormônio bioidêntico, afinal, sua estrutura molecular é diferente. Trata-se de um fármaco com ação hormônio-símile.

Assim, ao ligar-se às células, podem trazer enormes prejuízos à formação de tecidos e multiplicação celular.

Um exemplo desses hormônios sintéticos são os anticoncepcionais. Quando a mulher faz uso dessa substância, não está promovendo o seu equilíbrio hormonal. O mesmo vale para anabolizantes utilizados por quem frequenta academia.

Não são tratamentos hormonais, mas sim, a inserção de moléculas farmacológicas que tem ação semelhante ao hormônio.

No universo da hormonologia, não cabe falar sobre os hormônios com ação símile.

Quando eu, Dr. Ítalo Rachid, falo sobre a ação dos hormônios, refiro-me aos hormônios naturais ou bioidênticos.

Essa diferenciação é essencial ao profissional de saúde que deseja oferecer o melhor tratamento ao seu paciente.

Espero ter esclarecido essas diferenças com este artigo.

Hormonologia para profissionais da saúde

Para atender à demanda de profissionais que desejam aprender sobre o assunto, criei o Curso Hormonologia Aplicada. Hoje, as inscrições estão encerradas, porém, você pode deixar seu nome na lista de espera para ser avisado sobre a próxima turma:

Até a próxima!

Este post tem 8 comentários

  1. Jayme Rousso

    Bom dia Dr.Italo , como fazer para ter uma consulta pessoal com vc ?

  2. Luciano Santos

    Excelente iniciativa. Texto de fácil compreensão e elucidativo. Parabéns.

  3. Luiz Antonio Dias Moreira

    Excelente o ensinamento para nos profissionais da saúde

  4. Odair

    Muito bom.
    Isso me induz a perguntar: como você classifica o DHEA?

  5. Miriam Rejane Morem

    Por gentileza eu gostaria de marcar uma consulta com o próprio Dr. Ítalo para ver sobre meus hormônios. Gostaria de saber se ele faz consulta on-line , como marcar e preço . Moro em Florianópolis. Obrigada

  6. Maria Helena Saad

    vai ter curso presencial em SP ? Quero fazer

  7. Antonio Luiz da Silva

    Excelente!

Deixe uma resposta