Coronavírus: tudo que você precisa saber sobre essa epidemia

Compartilhe

Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
coronavirus

Faz pouco tempo que estamos ouvindo falar em uma nova doença epidêmica: o coronavírus. Mas será que você sabe o que ele pode causar? Como é transmitido? E de que forma se prevenir?

Como profissional da saúde, penso que é meu dever esclarecer essas questões e lhes trazer informações atualizadas sobre o coronavírus.

Por este motivo, no artigo dessa semana vamos falar sobre este assunto de modo que você possa entender a doença para zelar pela sua saúde e pela saúde da sua família.

O objetivo deste conteúdo não é criar alardes sobre uma possível epidemia ou sobre a capacidade letal desta doença, mas sim, esclarecer pontos importantes e trazer informações atualizadas sobre o coronavírus.

Se você quer se informar sobre o assunto, continua comigo até o final da leitura.

O que é o coronavírus?

Essa é a primeira questão que precisa ser respondida: o que é o coronavírus?

Os coronavírus são, na realidade, uma família de vírus, sendo que o mais recente a ser descoberto foi o 2019-nCov, ou seja, o novo coronavírus.

Este surgiu na China, em dezembro de 2019, mais precisamente na cidade de Wuhan. E, desde então, tem gerado um alarde corpulento no mundo inteiro.

Dito isto, a maior preocupação com relação ao novo coronavírus é a sua facilidade de contaminação. Por ter surgido no país mais populoso do mundo e infectado o primeiro ser humano em dezembro de 2019, a mídia do mundial tem falado na doença todos os dias.

À vista disso, é importante saber que o 2019-nCov pode ser transmitido por meio de:

  • Gotículas de saliva;
  • Espirro;
  • Tosse;
  • Cotarro;
  • Contato próximo, como um aperto de mão;
  • Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido de contato com boca, nariz e olhos.

Sendo assim, conheça quais são os principais sintomas do coronavírus.

Quais são os sintomas do coronavírus?

Os sintomas do coronavírus são parecidos com os de uma gripe e dentre eles estão:

  • Febre;
  • Dificuldade para respirar;
  • Tosse constante;
  • Coriza;
  • Dor de garganta;
  • Possível dor de cabeça.

Tais sintomas tendem a persistir por alguns dias.

Os casos mais graves podem evoluir para uma insuficiência renal ou síndrome respiratória aguda, podendo levar ao óbito, pessoas que se encontram imunologicamente enfraquecidas ao enfrentar a doença.

Não está claro qual é o potencial letal do coronavírus

Ainda assim, sabe-se que os quadros mais graves podem evoluir para pneumonias que acabam não respondendo aos efeitos dos antibióticos, o que torna a situação mais complicada caso o indivíduo chegue neste estado.

Veja o que fazer para se prevenir

Assim como os sintomas são similares aos de uma gripe, as iniciativas de prevenção também seguem determinado padrão.

A primeira transmissão se deu pelo contato de um animal com o ser humano e a partir disso o coronavírus passou a transitar facilmente entre as pessoas, onde as forma de contaminação são mais rápidas e simples.

Para minimizar os riscos de contaminação, deve-se seguir as seguintes orientações:

  • Evitar contato próximo com pessoas que apresentam infecções respiratórias;
  • Lavar bem as mãos e com frequência;
  • Evitar tocar os olhos, nariz e boca sem ter higienizado as mãos;
  • Evitar compartilhamento de objetos de uso pessoal;
  • Usar lenço descartável para limpeza nasal;
  • Cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar;
  • Manter os ambientes ventilados.

Os pesquisadores de Hong Kong desenvolveram uma vacina contra o coronavírus. A nova forma de imunização foi feita a partir de alterações na vacina da gripe, contudo ela ainda não está disponível para a população em geral, pois segue passando por testes de eficiência.

Em caso de suspeita de contaminação procure um médico imediatamente.

No que diz respeito às ações do Governo Brasileiro no combate ao coronavírus, o Ministério da Saúde instalou um Centro de Operações de Emergência (COE) para preparar a rede pública do país sobre o atendimento aos casos de suspeita ou casos confirmados.

Devo me preocupar com o coronavírus?

Em 2012 um vírus da família do coronavírus surgiu no Oriente Médio, fazendo vítimas fatais.

Assim como o vírus que se apresentou recentemente, o 2019-nCov, os especialistas correram contra o tempo para controlar a propagação e acalmar as pessoas com relação à doença.

Vale reforçar que estamos falando de uma família de vírus altamente mutável e por este motivo, os cuidados que citamos acima precisam ser seguidos a risca, principalmente no momento que estamos vivendo.

Enquanto isso, médicos e especialistas estão dedicando todo tempo possível para combater a doença. 

Uma matéria publicada recentemente no G1, relata uma afirmação do médico chinês que combateu a SARS em 2013 (outra geração de coronavírus), afirmando que o vírus atual poderá ser erradicado até abril de 2020.

Buscar conhecimento ou consultar um médico diante de dúvidas ou suspeitas será sempre a melhor opção.

No entanto, os cuidados com a saúde continuam sendo necessários, independente do surgimento de novas doenças ou não.

Você também pode gostar de ler: O que é longevidade saudável e por que isso interessa a você

Deixe uma resposta