Por que todo profissional de saúde precisa aprender sobre hormônios?

Compartilhe

Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
aprender sobre hormônios

Profissional de saúde, quer saber por que provavelmente você precisa aprender sobre hormônios?

Seja você fisioterapeuta, odontologista, nutricionista, biomédico, terapeuta ocupacional…

O conhecimento sobre hormônios é importante para identificar clinicamente identificar declínios hormonais que o paciente possa estar passando.

Esses efeitos aparecem quando, diante de uma prescrição de tratamento, esse paciente não responde bem, ou até, regride.

Acredito que meu objetivo é fazer que todos aprendam o momento de referenciar esse paciente ao médico que trabalha com a fisiologia hormonal.

Eu mesmo, enquanto médico, preciso conhecer o que o fisioterapeuta, ou o nutricionista, ou o educador físico fazem para encaminhar um paciente a eles. Ainda que eu não seja o responsável pelas intervenções realizadas por esses profissionais.

Mas, sim, conhecer suas metodologias, conceitos e quais critérios utiliza.

O médico e qualquer outro profissional da área da saúde tem o dever de conhecer princípios de hormonologia.

Ao aprender sobre hormônios, entende exatamente o momento que seu paciente sofre com o declínio hormonal.

Assim, pode pensar dentro de um mesmo universo e falar em uma mesma linguagem, cada qual em sua área de atuação, mas sempre em prol do paciente.

Por que conhecer a hormonologia

É imperativo que nós possamos compreender pela ótica da fisiologia o que são hormônios. 

Hormônios são mensageiros moleculares que, ao penetrar dentro de uma célula, são produzidos em estruturas celulares chamados glândulas. E, ao produzirem essas substâncias, vão entrar na corrente sanguínea e percorrer nosso corpo, penetrando em todas as células que tenham estrutura proteica especial.

Vamos imaginar que fique na membrana citoplasmática e abra todas as vezes que uma determinada célula e que um setor do nosso organismo precisa de um determinado hormônio, essa estrutura celular chamada de receptor abre tal qual uma porta abre para alguém entrar.

Quando falamos no efeito de um hormônio no corpo humano, o efeito só ocorre quando:

  1. É produzido por uma glândula.
  2. É liberado para a corrente sanguínea
  3. Circula
  4. Adentra nas células que estejam necessitando.

No momento que as células sinalizam ao corpo que precisam de um hormônio, e aí o corpo empenha-se para produzir.

Podemos fazer uma analogia muito parecida com uma chave, onde ocupa o papel simbólico do hormônio e o receptor ocupa simbolicamente o papel da fechadura.

Quando o hormônio adentra o receptor e penetra o citoplasma das células, é transportado para o núcleo da célula.

Ao chegar lá, o receptor entrega o hormônio ao núcleo e vão até o DNA fazer a transcrição do RNA mensageiro, que é exatamente o código que contém todas as ordens, tarefas e funções que uma célula precisa executar para manter-se em equilíbrio com o organismo.

Então, além de controlar a permeabilidade da membrana plasmática, também realiza os processos de reparo, construção, anabolismo e comunicação. Os hormônios levam a uma reação final: a homeostase do meio interno.

Então, para que servem os hormônios?

São meios de comunicação que promovem a maneira correta das células executarem suas funções de modo que o corpo humano comporte-se como uma unidade só.

Manter o equilíbrio hormonal é fundamental para a promoção de saúde e qualidade de vida.

É importante ressaltar que os hormônios são produzidos desde a idade intra-uterina, logo, não há nada mais natural que manter esse equilíbrio. Afinal, já fazem parte de nossas vidas antes de nascermos.

Porém, à medida que envelhecemos, os hormônios entram em declínio. Após atingirem o seu apogeu, em torno de 22 anos de idade, o equilíbrio dessas substâncias dura até cerca dos 30 anos.

Nós, seres humanos, não fomos configurados para produzir hormônios em níveis ótimos por toda a vida. Então, a natureza entende que quando atingimos cerca de 30 anos, não há mais razão para seguir com essa produção.

No entanto, essa produção pode ser afetada por estilo de vida, gerenciamento do estresse, alimentação, qualidade do sono, entre outros fatores.

Existe uma grande diferença entre idade cronológica e idade fisiológica: um ser humano de 30 anos pode estar com o organismo funcionando assim como o de uma pessoa com 50. O contrário também é válido.

E, em determinados casos, o médico pode conduzir a remodelação hormonal. Nada tem a ver com o uso de anabolizantes. Mas, atenção: essa prescrição é exclusiva do médico. Cabe a outros profissionais aprender sobre hormônios para saber encaminhar o paciente.

Como o profissional de saúde identifica que seu paciente está em declínio hormonal

Pode ser que, se você é um educador físico e o seu paciente não responde bem à adequação do treino, não progride ou a evolução é abaixo do esperado para a sua idade, é ali que deve desconfiar de um desequilíbrio hormonal.

Se você é dentista, fez um implante e a pessoa teve uma retração gengival, atrofia das mucosas ou existe dificuldade que esse implante consolide, saiba que uma deficiência hormonal pode estar comprometendo esse resultado.

Um psicólogo que atende o paciente com depressão precisa entender que a queda hormonal provoca uma profunda redução nos neurotransmissores, levando à baixa produção de serotonina e a sua energia baixa nem ter relação com o comportamento ou causa psiquiátrica. É preciso, sim, investigar os hormônios.

O indivíduo em um tratamento fisioterápico que não consegue ganhar massa muscular ou reagir bem à terapia também pode estar com declínio hormonal.

O nutricionista, ao perceber que seu paciente tem dificuldade em absorver macro nutrientes e desenvolve desnutrição, também deve levantar a suspeita dos desequilíbrios hormonais.

Nada disso tem relação com a idade, mas sim, com declínios hormonais.

É por isso que todo profissional de saúde deve compreender o papel dos hormônios no organismo. Esse conhecimento vai expandir de forma exponencial os horizontes de qualquer área profissional.

Afinal, estará habilitado para enxergar nas entrelinhas onde estão escondidos os desequilíbrios hormonais com objetivo em orientar essa pessoa de que o seu trabalho, de forma isolada, pode não ser suficiente para manter a contínua qualidade de saúde do paciente.

Por melhor que seja o profissional, é importante saber que declínios hormonais causam prejuízos sistêmicos em todas as especialidades sem exceção.

eu acredito que, além de olhar o paciente, esse conhecimento faz inevitavelmente olhar para si mesmo: como está a sua memória, saúde e energia?

Os próprios profissionais precisam cada vez mais cuidar melhor da sua saúde para proporcionar mais saúde aos seus pacientes.

Quer aprender sobre hormônios?

Um corpo em desequilíbrio hormonal é algo comparável a um prédio entrando em colapso.

E os hormônios também influenciam no comportamento e nas emoções.

Entendo que muitos profissionais sentem reservas em relação a esse tema. Pensam se tratar de uma abordagem arriscada por confundirem a reposição hormonal com uso de anabolizantes.

Aprender sobre hormônios é urgente a todos os profissionais de saúde.

Por isso, estarei ministrando de forma 100% gratuita o Seminário de Hormonologia Clínica, nos dias 8, 9 e 10 de dezembro.

As inscrições já estão abertas e todos os profissionais são bem-vindos!

Basta clicar no botão abaixo para participar:

Deixe uma resposta