A saúde do intestino influencia no coração?

Compartilhe

Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook

As doenças inflamatórias intestinais podem, por vezes, proceder outras patologias graves que não despertam a atenção para o intestino, inicialmente. Tais doenças seguem sendo tratadas como se essa relação fosse inexistente. Mas o fato é que a saúde do intestino tem influência direta sobre diversos aspectos do corpo humano, incluindo o funcionamento do coração.

E como você pôde observar no título deste artigo, desejo elucidar algumas questões acerca de como a saúde do intestino influencia no coração.

Os distúrbios intestinais, e principalmente as inflamações causadas pela má alimentação, são problemas evitáveis desde que o indivíduo cultive uma atitude preventiva, selecionando inteligentemente, tudo aquilo que leva a boca durante o seu dia a dia.

Essa não é a primeira vez que relaciono o intestino com outras doenças importantes e graves, que apresentam um número de casos aumentados a cada ano que passa. Já o fiz diversas vezes aqui no blog e nas minhas redes sociais. Ou seja, é pertinente que direcionamos uma atenção constante para a saúde do intestino.

Desta forma, voltemos nossa concentração ao motivo pelo qual você chegou neste artigo. A compreensão clara sobre como a saúde do intestino influencia no coração

Doenças inflamatórias intestinais

Falar de saúde sem falar de intestino? Inconcebível.

Se por um lado as doenças inflamatórias intestinais protagonizam o surgimento de diversas outras doenças graves, o conhecimento acerca disso, ainda precisa ser disseminado de forma que os indivíduos compreendam a profundidade dessa conexão.

A doenças inflamatórias intestinais (DII) são manifestações crônicas que resultam em uma sintomatologia desgastante que culminam por furtar a qualidade de vida dos indivíduos. Só quando o quadro alcança um nível elevado de gravidade é que o paciente busca por ajuda especializada, a fim de investigar a situação.

Contudo, devo lhe dizer algo, que talvez seja a coisa mais importante que lerá neste artigo: as doenças inflamatórias intestinais são totalmente evitáveis, bem como, as patologias decorrentes delas.

As DII mais comuns são: Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa. 

A Doença de Crohn é uma inflamação seríssima que atinge o trato gastrointestinal, ou seja, da boca ao ânus. O sintomas decorrentes são febre, diarreia com sangue (em muitos casos), cólica, dores nas articulações e secreção no ânus. Os indivíduos portadores da doença podem emagrecer bruscamente, pois a perda de apetite é comum.

No que diz respeito a Retocolite Ulcerativa, tem-se uma doença com sintomas semelhantes à Doença de Crohn. No entanto, a Retocolite afeta diretamente o cólon e o reto causando fortes dores abdominais e inflamações.

Enquanto a Doença de Crohn lesiona as partes mais profundas do trato gastrointestinal, a Retocolite atinge partes mais superficiais, mas que continuam sendo de extrema importância.

A saúde do intestino influencia no coração?

Eis o assunto que o trouxe até este artigo. Será mesmo que a saúde do intestino influencia no coração, meus Caros Amigos?

Estudos apontam que os problemas relacionados à saúde do intestino, não se limitam apenas ao sistema digestório, abrangendo também, a saúde do coração. E mais precisamente falando, na ocorrência de ataque cardíaco em indivíduos jovens. 

Uma recente pesquisa relacionou o consumo de carne vermelha ao aumento de um componente aterogênico no organismo, conhecido na medicina como TMAO. Carnitina e da colina são os principais elementos geradores de N-óxido de trimetilamina (TMAO), sendo que tal produção depende da microbiota intestinal. Desta forma, o estudo sinaliza que uma alimentação baseada em carne vermelha aumenta os riscos quanto a aterosclerose, ou seja, ao acúmulo de gordura nas paredes das artérias.

Perceba a necessidade urgente de seleção e reflexão sobre o que colocamos na mesa e levamos a boca todos os dias.

Leia mais: Estatinas e doenças cardiovasculares: será que são eficientes?

Não existe escolha sem renúncia

Uma vez que existe clareza sobre a importância de manter a saúde do intestino preservada, sabe-se que as escolhas alimentares são primordiais neste processo, até mesmo no combate ao surgimento de doenças graves, como aquelas relacionadas ao coração.

Sendo assim, ao fazer escolhas ruins se renuncia a possibilidade de viver uma vida longa e saudável, ainda que isso seja feito inconscientemente. Os estudos comprovam, dia após dia, o quanto a saúde do intestino impacta no funcionamento dos demais sistemas do organismo humano. Tal constatação ganha notoriedade a cada dia que passa, felizmente.

A partir disso, é preciso que se formem indivíduos despertos para a saúde do seu intestino e interessados em evitar doenças graves, muito mais do que medicar.

Portanto, não existe escolha sem renúncia.

Você também pode gostar de ler: Nutrição na quarentena: o que você precisa saber

Para acompanhar meus conteúdos em vídeo, se inscreva no meu Canal do Youtube: Dr. Ítalo Rachid. Espero você por lá.

Deixe uma resposta