11903875_507748919384384_5122536473868496435_n (1)Os malefícios das noites em claro | Parte 4: Estudo americano

Pessoas com distúrbios do sono, como insônia, estão sujeitas ao risco de desenvolver várias doenças, inclusive cardíacas

Estudo da Perelman School of Medicine da University of Pennsylvania, nos Estados Unidos, apontou que pessoas com distúrbios do sono, em pelo menos três noites por semana, em média, eram 54% mais propensas a ter diabetes, 98% mais propensas a apresentarem doença arterial coronariana, 80% mais propensas a ter um ataque cardíaco e 102% mais propensas a terem um acidente vascular cerebral.

Além disso, os cientistas mostraram que a má qualidade do sono acelera o processo de envelhecimento. Isso acontece porque. sem o repouso adequado, o organismo fica em estado de estresse e, assim, aumenta a produção de radicais livres (moléculas formadas naturalmente no organismo e que degradam as células).

Mas a insônia tem tratamento, que pode ser feito com uma simples mudança de hábito ou, se necessário, com medicação. “Alterações no comportamento e na alimentação, como a retirada do café ou de refrigerantes à base de cola e dormir na posição
adequada, são mudanças que podem melhorar a qualidade do sono”, recomenda o neurologista.

Quando o paciente não consegue resolver a insônia com a mudança de hábito, muitas vezes é necessário o auxílio de psicoterapia ou de medicação. Existem medicamentos que podem ser úteis para o tratamento da insônia, quando adequadamente indicados, a maioria formada por medicamentos de prescrição controlada e que devem ser tomados sempre
com acompanhamento médico.

Confira essa e outras matérias completas acessando o link:
bit.ly/revista-longevidadeemfoco