11873392_507747596051183_833348374894447521_nOs malefícios das noites em claro | Parte 2: Distúrbios do sono

Pessoas com distúrbios do sono, como insônia, estão sujeitas ao risco de desenvolver várias doenças, inclusive cardíacas.

Existem três grandes grupos de distúrbios do sono: insônias, sonolência excessiva e comportamentos anormais durante o sono. Segundo o Dr. Almeida, a insônia é o problema de sono mais comum entre os brasileiros. Ela é caracterizada pela dificuldade em iniciar e manter o sono ou dormir de maneira não reparadora, o que acarreta repercussão nas atividades diurnas.

“Quando a pessoa demora mais de 30 minutos para pegar no sono ou acorda muitas vezes durante a noite ou, ainda, acorda à noite e tem dificuldade para retomar o sono, é considerado como insônia”, diz o neurologista. De acordo com o especialista, a maioria dos casos de insônia está relacionada a distúrbios, como ansiedade, estresse e depressão. “No caso do estresse, as preocupações, a correria no dia a dia, problemas no trabalho, na família, no relacionamento. Tudo isso gera estresse e tem como consequência a insônia”, diz.

A apneia obstrutiva do sono, a mioclonia noturna (contrações musculares involuntárias nas pernas) e doenças com dor crônica, como reumatismo e fibromialgia, e outras neurológicas, além do refluxo gastroesofágico, são outras das causas da insônia. Segundo pesquisa feita pelo Instituto do Sono da Associação Fundo de Incentivo à Pesquisa, em São Paulo, a apneia atinge 33% da população brasileira. “Essa é uma das principais causas de sono ruim e ocorre quando há uma obstrução da passagem do ar, o que faz a pessoa acordar várias vezes durante a noite”, lembra o médico.


Confira essa e outras matérias completas acessando o link:
bit.ly/revista-longevidadeemfoco