11899895_506328736193069_6149471101076794755_nOs malefícios das noites em claro | Parte 1

Pessoas com distúrbios do sono, como insônia, estão sujeitas ao risco de desenvolver várias doenças, inclusive cardíacas

Nada melhor do que uma boa noite de sono para recuperar a energia gasta durante as atividades do dia. Mas cada dia mais pessoas enfrentam problemas para dormir. Um estudo realizado na Universidade de Glasgow, na Escócia, envolvendo 12 mil adultos, mostrou que mais da metade dos entrevistados tinha
dificuldades para adormecer ou permanecer dormindo. A pesquisa mostrou também que as consequências das noites em claro podem ir desde um simples mau humor passageiro
até problemas cardíacos, além de outros problemas, como cansaço, sonolência, dificuldade para assimilar informações, falhas de memória e de raciocínio, por exemplo.

O neurologista com habilitação em medicina do sono Leonardo de Almeida (Cremesp 14.0011) explica que o sono é um momento de repouso cardiovascular. Se a pessoa dorme com
frequência menos do que precisa, pode desenvolver diversas doenças. “Dormir bem não é apenas gostoso e revigorante, mas faz bem para a saúde. Uma boa noite de sono está relacionada a bons níveis de pressão arterial e de diabetes. Isso porque o repouso adequado contribui para que a pessoa tenha menor resistência à insulina, ajudando o controle do diabetes”, comenta.

De acordo com o especialista, é quando dormimos que o corpo estabiliza os índices glicêmicos. Uma boa noite de sono também ajuda a diminuir a possibilidade de ocorrer acidente vascular cerebral (AVC) e doenças cardiovasculares, pois equilibra
a produção de hormônios e substâncias químicas no organismo.

Outro benefício do sono é ajudar a prevenir a obesidade, pois, enquanto estamos dormindo, o organismo produz mais leptina, hormônio capaz de controlar a sensação de saciedade, e menos grelina, hormônio do apetite, contribuindo para a prevenção da obesidade.


Confira essa e outras matérias completas acessando o link:
bit.ly/revista-longevidadeemfoco