11221720_1020982261248359_4131584772782293996_nDiversos estudos realizados por cientistas de diferentes instituições mundiais já mostraram que a inflamação crônica subclínica é um dos agentes centrais no processo de envelhecimento. Esse tipo de inflamação está relacionado a doenças como a aterosclerose, diabetes tipo 2, câncer, obesidade, artrite, fibromialgia, hipertensão arterial e Alzheimer. E nos últimos anos vem surgindo um número cada vez maior de cientistas que dizem que a depressão é outra patologia que resulta da inflamação causada pelo sistema imunológico do organismo.

O neurocientista George Slavich, chefe de neurocirurgia na Universidade de Toronto, no Canadá, estuda a depressão há vários anos e chegou à conclusão de que a doença tem tanto a ver com o corpo com a mente. O pesquisador diz que não trata mais a depressão como uma condição psiquiátrica. “Ela envolve a psicologia, mas também envolve partes iguais de biologia e saúde física”, diz.

Segundo o pesquisador, proteínas chamadas citocinas, produzidas em resposta a microrganismos e outros antígenos, instigam o organismo a abrandar, numa reação natural de proteção, seja para evitar mais danos, para conservar a energia necessária para combater uma infecção, ou para evitar o contágio a outros. Mas o excesso de citoninas no organismo leva à depressão.

Quer conhecer um pouco mais sobre o assunto?
Confira no link: bit.ly/revista-longevidadeemfoco