11934958_507748266051116_6327011074691022717_nOs malefícios das noites em claro | Parte 3: Hábitos que prejudicam uma boa noite de sono

Pessoas com distúrbios do sono, como insônia, estão sujeitas ao risco de desenvolver várias doenças, inclusive cardíacas.

O especialista lembra que alguns hábitos também são vilões do sono. Entre eles estão: consumo excessivo de cafeína e de álcool perto do horário de dormir, horários irregulares para dormir e para acordar, cochilos prolongados durante o dia, refeições pesadas à noite e prática de atividades físicas próximo do horário de dormir. “Esses hábitos prejudicam o sono e, consequentemente, a saúde”, alerta.

O neurologista explica que os resultados das noites em claro ou das reduzidas horas de sono podem ser sérios para a qualidade de vida. O estudo realizado na Universidade de Glasgoow, por exemplo, identificou que 55% dos adultos que tinham problemas
para dormir também apresentavam dificuldade de relacionamento, além de dificuldade em se concentrarem, queda de produção no trabalho, problemas de humor e falta de energia.

Segundo o Dr. Almeida, a insônia pode provocar hipertensão, alterações hormonais e outros problemas, como dificuldade de crescimento em crianças. “Isso acontece porque, enquanto repousamos, o organismo libera boa parte do hormônio do crescimento, o GH, no organismo. O insone ainda tem dificuldade de concentração ou memorização, pode apresentar irritabilidade, sensação de fraqueza ou mal-estar e dor de cabeça. E as pessoas que dormem menos do que a necessidade biológica exige, estatisticamente, morrem mais cedo”, afirma.

No caso da memória, segundo o especialista, uma boa noite de sono é importante para absorver melhor as informações obtidas durante o dia. Isso porque é durante o sono que ocorre a síntese de proteínas responsáveis pelas conexões neurais e o cérebro faz sua limpeza das impurezas produzidas pela atividade neuronal realizada durante o dia, além de consolidar as novas informações.

Confira essa e outras matérias completas acessando o link:
bit.ly/revista-longevidadeemfoco